Mostrando postagens com marcador Internet. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Internet. Mostrar todas as postagens

28 de abril de 2017

Carta a uma desconhecida

Olá! Tu não me conheces e eu também não.

Estamos envolvidos neste mundo recheado de redes sociais, com amizades virtuais e mensagens instantâneas e pergunto-me se algum dia nos cruzamos na rua com os nossos smartphones em punho alheios a presenças reais e focados em estados merecedores de 'gostos' ou fotos interessantes de conhecidos de conhecidos.

Certamente não, não nos lembramos de tal coisa pois queremos saber o que fulano diz e que parvoíces sicrano fez.

Tanto quanto sei, até podemos ser amigos do Facebook ou seguidores mútuos no Twitter ou no Instagram, aqueles seres que gostam das suas fotografias mas nunca viram mais gordos, magros, feios ou atraentes na vida real. Até pode ser alguém a apropriar-se de imagens de outra pessoa. O melhor é pensar positivo e acreditar que essas pessoas podem ser tuas melhores amigas ou até alguém que te cruzaste numa festa de um amigo de uma amiga, que essa amiga namorou com um rapaz que se dá bem com tal rapariga. Confuso? Sim eu sei mas é assim que possivelmente nos conhecemos por seguirmos um ao outro do nada.

Podemos nunca ter cruzado pessoalmente mas conheço-te, conheço as tuas tendências, conheço  teu círculo de amizades, sei ainda onde vais ocasionalmente, tudo pelas tuas fotografias. És como se fosses alguém do meio raio de amizades.

Ainda vamos a tempo de nos conhecer... posso te dizer um 'oi' ou um 'olá' ? Mas só se responderes. 

Tenho a certeza que nunca o farás, falas com dezenas senão centenas de pessoas por semana mas que importa? Não estaremos na vida de um do outro.

É melhor continuarmos a ser simples desconhecidos.

Quem sou eu? 

Um desconhecido

Beijinhos


Miguel Oliveira - https://area-escritalhada.blogspot.com.br

6 de março de 2017

Nobody yes door



Ninguém realmente se importa com a sua opinião. Não querem realmente saber o seu gosto, o que você sente, como você sente, nem se interessam pela sua opinião. 

Não.

Todos chegam aqui por algum robô do google, ou por indicação, ou por algum link perdido, imaginando encontrar aqui, como em qualquer outro blog, coisas coloridas espalhafatosas, postagens da moda cheia de imagens com resenhas acerca de bens ou serviços, livros e filmes e séries e artistas mainstream.

E de qualquer forma, ninguém se interessa pelas suas inúmeras tentativas de popularizar, de repostar coisas da moda, de ser igual a youtube-bloggers.

No, nobody gives a f#ck.

24 de fevereiro de 2017

Ambição


Muito embora eu quisesse usar todos os dias, Channel tem um custo. Pois eu espero que a minha ascensão profissional e financeira seja tão grande quanto a minha ambição. Eu queria ser a mulher maravilha, poderosa, rica, no topo do mundo. Comprar o corpo que eu quero. Negociar com deus os meus anos de vida, e até mesmo umas férias no inferno. Atravessar o mundo em minutos. Não ter que me preocupar com mensagens não respondidas. Ah, como eu quero ir para o outro nível...

14 de fevereiro de 2017

Besteiras


Não sei porque vocês levam tão a sério o que eu escrevo. São apenas pensamentos aleatórios escrevinhados rapidamente, sem revisão, sem pensar duas vezes, sem um critério mais lógico (como este próprio texto). É sério: Não se preocupe e não fique querendo refletir demais sobre "o que eu posso estar querendo dizer", porque tem vezes que nem eu sei. Minha mente é sã e íntegra para todos os efeitos civis (e assim vai continuar por um longo tempo, assim espero), mas nunca espere encontrar no que eu escrevo aqui muita lógica ou coerência. Yes: Don't mind me.

14 de dezembro de 2016

Não uso papel


]Depois de uma graduação inteira a gente vê quanto papel foi utilizado à toa. Milhares de cópias que nos mandaram imprimir e no fim não foram utilizadas, seja para simples leitura obrigatória, seja para trabalhos, para folhas pautadas, para atividades, transcrição de conteúdo parcial, et cetera. Ademais, durante a vida inteira vi gente jogando fora várias folhas de caderno por um simples erro ao escrever. Isso sem contar as dezenas de agendas que foram compradas mas nunca usadas (ou utilizadas apenas nos dois primeiros meses do ano), as dezenas de post-its que foram utilizadas mais para enfeitar e brincar do que para realmente atingir a sua finalidade, as várias folhas de papel almaço que as pessoas pegam direto da impressora sob o pretexto de ser usada para rasuras e no final não são utilizadas nem 1/3. Para mim chega. Sempre detestei imprimir de qualquer forma, e nos últimos tempos venho transitando de anotações em pequenos papeis para anotações em meio digital, e o mesmo tenho feito para estudar e escrever. Sem tanto papel a gente evita muita bagunça e muita poluição visual. Sem contar que isso é mil vezes mais ecologicamente correto. Menos poluição, menos bagunça, mais espaço. O mesmo eu tento fazer, ao máximo possível, com o plástico - outro ítem altamente descartável que só polui e causa entulho. Pois se dependesse de mim, nunca mais se utilizaria papel.

27 de outubro de 2016

Reforma



Pois bem, admiráveis internautas. Infelizmente eu não tenho o feedback todo expresso em comentários que eu gostaria, mas eu vou propor algumas mudanças aqui nesse espaço virtual, que algumas pessoas já vinham sugerindo ou eu já tinha visto como recomendável em algum lugar ou outro. Já passou da hora, aliás, de repaginar as ideias. Vamos lá:

- Sim, eu vou mudar de layout - assim que eu tiver tempo para isso (o que está difícil ultimamente); mas aceito sugestões nesse ínterim;

- E sim, vou "responder" a todos os comentários e vou visitar os seus vossos respectivos blgs, só não prometo que farei isso imediatamente e nem me comprometo a seguir (e claro, a minha resposta/visita vai ser do mesmo nível que o seu comentário/visita; então se você comentar algo na linha de "oi, legal seu blog, passa lá no meu", a minha resposta será algo como "oi, legal seu blog tb, bjs");

- Não, não pretendo ter um domínio particular do tipo ".com", por mais que eu tenha condições para isso. Sinto que o domínio ".blogspot" é mais amador e é justamente o amadorismo que eu aprecio na blogsfera;

- Quanto a "parcerias", não faço mais isso. Os blogs que eu recomendo aqui na barra da direita são aqueles que eu realmente aprecio e acompanho, sem compromisso com os seus respectivos autores. Posso mudar de ideia futuramente com relação a isso, mas por hora eu não preciso tão urgentemente aumentar o fluxo de visitas.

- Tenho redes sociais e as acesso esporadicamente, mas como eu já disse em alguma postagem anterior, eu evito investir muito tempo nelas. De vez em quando posso até fazer alguma publicidade via instagram/facebook, mas não espere muito fluxo não;

- Faço sim postagens sobre o que me sugerirem, contanto que tenha sugestões; enquanto não tiver vou escrever sobre o que me der na telha e seguirei acreditando que está bom. Tinha até pensado em mudar o estilo de postagem mas por agora não tenho nem ideia de como "mudar" (se é que eu ou qualquer pessoa realmente consegue mudar o seu estilo de escrita).

- Se você tem um blog/site do estilo literário (de resenhas de livros/filmes, de publicações pessoais amadoras ou não, de eventos literários et cetera), deixe um comentário que eu darei especial atenção, pois esse é o tipo de blog que eu mais gosto ♥

Era o que eu tinha para hoje.
Bjs flw vlw tchau.

16 de outubro de 2016

Cansei de ser sociável

Redes sociais definitivamente não são minha praia. Não me faz bem perder tempo com bobagens sensacionalistas amplamente compartilhadas e nem com misérias das vidas alheias. Tenho muito trabalho a fazer, livros a ler, lugares para ir, muita necessidade de malhar, organizar meus armários, planejar aspectos de um futuro imediato, et cetera. Paulatinamente vou excluindo ou abandonando um a um dos aplicativos, cortando a linha de internet da operadora e me abstendo de usar a internet sem fio. Eu quero viver. Sem mais milhares de fotos do "look" do dia, sem mais fotos dos livros (levava mais tempo tirando fotos do que lendo), sem mais fotos de comidas e bebidas, sem mais propagandas me induzindo a consumir. Sem mais nada disso, obrigada. Mudei a senha do facebook para alguma senha gerada automaticamente, imprimi essa senha em um papel, coloquei numa garrafa e atirei para longe: bye bye baby. E de qualquer forma, eu sempre serei a melhor pessoa que você vai encontrar para conversar: sempre bem disposta, mais intelectualizada do que a média (eu realmente leio e não simplesmente compartilho), sou capaz de olhar nos seus olhos durante a conversa como que o tempo todo e lhe ouvir - se é que isso realmente vai lhe importar.

5 de setembro de 2016

ESTE BLOG TEM OITO ANOS!




Sim, senhoras e senhores!

Depois de sobreviver às mais insanas transições da internet;

Depois de passar por diversas fases da vida de uma autora anônima na internet;

Depois de sair do ar e voltar mil e uma vezes;

Depois de ter sido colocado a venda (e ter recebido sedutoras propostas de compra);

Depois de tudo isso, Antes-de-mais-nada completa seu oitavo ano de existência cibernética, graças ao auxílio de todos vocês!

Muito obrigada por tudo!

E, antes de mais nada, avante!

20 de agosto de 2016

20 FATOS SOBRE MIM!

20  fatos sobre mim!

Pois bem, pessoas da blogsfera. Como prometido na Postagem n. 200, venho aqui trazer 20 fatos sobre mim, em homenagem à minha ducentésima postagem, a partir de perguntas escolhidas aleatoriamente.

Aqui vai:

1 - Você conhece alguma celebridade?

Celebridade no estilo hollywoodiano não, mas já conheci meia dúzia de pessoas famosas ao menos na minha cidade.

2 - Você canta/toca algum instrumento?

Na infância eu fiz aulas de flauta doce e até me saí mais ou menos, mas a flauta ficou na infância mesmo. Hoje em dia eu só canto no chuveiro.

3 - Qual é o seu chocolate favorito?

Gosto dos chocolates artesanais de Canela e Gramado, especialmente aqueles com amendoim.

4 - Você tem alguma fobia estranha?

Eu tenho medo de trânsito e medo de viajar na estrada.

5 - Pegue o livro que você esta lendo, vire a página 23, o que tem na linha 17:

WTF? Não era para ser perguntas sobre mim? Mas, bem, para ser fiel à aleatoriedade das perguntas (que pelo visto eu peguei de fontes pouco sensatas), aqui vai:

"adoecia, o que aconteceu duas ou três vezes nos últi-"

O livro que eu estou a ler - na verdade eu tenho mania de ler uns quatro ou cinco livros de uma vez, fora os livros de trabalho/estudo, sendo que esse eu escolhi simplesmente por ser o que estava mais à mão - é intitulado "Maigret no Tribunal", de Georges Simenon. A obra não é muito boa, mas posso fazer resenha em postagem futura.

6 - Quanto tempo você demora par ficar pronta de manhã?

De manhã, se eu for seguir a minha rotina ordinária, eu devo demorar uns 15 minutos. Se eu tiver algum evento especial que mereça um look mais aprumado eu devo levar entre 30 a 40 minutos, como qualquer pessoa.

7 - Qual é o som que você odeia? Som que você ama?

Hoje em dia eu tento me manter aberta a novos estilos, evitando fazer julgamentos MAS se tem um estilo que eu simplesmente não consigo engolir é o sertanejo - e olha que eu já tentei! Já fui para baladas sertanejas e não consegui, nem bebendo, nem com boas companhias, nem com muito fingimento entrar "na onda da música".

E quanto às músicas/estilo que eu gosto, bem, vejamos: Eu já fui muito metaleira, mas hoje o que eu tenho apreciado mais é música pop.

8 - Qual a música que sempre faz você se sentir feliz quando ouve?

Difícil dizer. Existem centenas de milhões de músicas que vem nos momentos mais aleatórios da nossa vida - isso sem contar o fato de que algo que pode ser felicidade para mim pode ter um sentido totalmente diferente para as outras pessoas.

Então, já que eu me comprometi a me ater às perguntas, uma música que me satisfaz muito, num sentido similar ao da felicidade, quando eu escuto, é Mater Piece de Jessie J.

9 - A "loucura" traz mais criatividade?

Pergunta interessante! Também não tem muita relação com "fatos sobre mim", mas ao menos eu percebo que já fiz postagens sobre esses temas aqui (Brainstorming, Loucura, Obsessão), mas sim, eu acho que a loucura, entendida como a fuga do óbvio e da estrita normalidade, amplia os limites da nossa mente, nos permitindo ver as coisas que de maneira convencional seria impossível. A loucura como busca da criatividade trás até mais felicidade. Aliás, recomendo fortemente a leitura de "Elogio da Loucura", de Erasmo de Roterdã, que li recentemente.

10 - Qual foi a coisa mais louca que você já fez por dinheiro?

Trabalhei muito e economizei. Olha que "loucura".

11 - Qual é a sua rede social favorita?

Não gosto de redes sociais, uso apenas por necessidade de comunicação mesmo. Mas ao meu ver as mais tragáveis, por assim dizer, são o instagram e o twitter.

12 - Três coisas que na sua opinião todo mundo deveria saber.

Parece simples mas a pergunta é complexa. Muito relativo, na verdade, como qualquer pergunta. Mas acho que o essencial para se saber na vida em sociedade, ou mesmo individualmente, é: Respeito, higiene e educação, no sentido amplo.

13 - Quais as vantagens e desvantagens de quando se está solteiro? E de quando se está namorando?

Vantagem de estar namorando? Acho que é ter alguém fixo para tr...

Vantagem de estar solteira? T-O-D-A-S ♥ =D Mas se vocês fizerem questão eu vou listar algumas:

I - Poder conversar com definitivamente quem você quiser sem precisar ficar dando explicações;

II - Fazer o que você quiser, na hora que você quiser, do jeito que você quiser e isso SE você quiser;

III - Conhecer vários pretendentes;

IV - Poder trabalhar mais e estudar mais e guardar mais dinheiro só pra você;

V - E a melhor de todas: Não ter que ficar fazendo a social em casa de famílias alheias, o que inclui a dispensa de se submeter a brincadeirinhas imbecis, neuras de sogras, etiquetas mesquinhas, et cetera et cetera et cetera.

14 - Qual a coisa mais próxima de você que é vermelha?

Novamente não vejo a lógica na pergunta, mas como eu optei por perguntas aleatórias, me sinto obrigada a responder.

A coisa mais próxima de mim que é vermelha é um batom novinho, que eu ainda não usei e veio com milhares de promessas de "efeito glam" e "fundo dourado" que eu espero que seja assim tão eficaz quando eu for para a balada.

15 - Como foi seu último sonho?

HORRÍVEL. Eu sonhei que eu estava em uma competição de corrida em que eu estava perdendo, e na medida em que eu perdia me era tirado o oxigênio.

Nunca foi tão bom acordar.

16 - Qual foi a última mentira que você contou?

"Sinto muito".

17 - Qual foi o último filme que você viu?

"As bicicletas de Belleville", que eu futuramente farei uma resenha aqui neste espaço virtual.

18 - Diga a primeira coisa que vem à mente quando você ouve a palavra "coração":

Músculo estriado cardíaco.

19 - Com o que você não pode sair de casa sem?

Não ficou claro se a pergunta é COM ou SEM, mas, de qualquer forma, não posso sair de casa sem roupa, pois se eu fizer isso eu serei presa.

20 - Qual a sua relação com a última pessoa que te mandou mensagem?

A minha relação com a TIM é saudável, obrigada.

Era o que tinha para hoje, gentes. Agora, para dar continuidade, me conte três fatos sobre você. =D

16 de julho de 2016

POSTAGEM NÚMERO 200!

KEEP CALM ESSE É O POST N. 200!

Muito obrigada a todos e a todas que acompanham meu blog!

Depois de oito anos de blog (sim, esse blog é dos tempos medievais da internet), 33.555 visitas, 500 comentários, ter 313 seguidores, depois de abandonar e voltar várias vezes para esse espaço virtual, depois de apagar centenas de milhares de postagens antigas por impulso, por me arrepender e achar que a internet não merecia aquilo (que poderia ter sido bom), finalmente eu me disciplinei e cheguei à minha ducentésima postagem - com muito fôlego!

E para comemorar, seguindo o estilo da minha centésima postagem, eu vou revelar 20 fatos sobre mim (porque 200 é muito), em postagem futura.

Novamente agradeço a todos os meus amigos da blogsfera que têm me acompanhado e lá vamos nós rumo a 1.000!

6 de julho de 2016

Paixão





Em vez de ameaçar e amaldiçoar o Cúpido, a gente deveria desejar que ele atirasse em nós com mais frequência, escolhendo melhor os alvos do nosso afeto. Deveríamos desejar, na verdade, que esse filho do Amor e da Guerra, amante notável da Alma, esperasse momento oportuno para interferir nas nossas vidas com as suas setas letais, em vez de nos desamparar com a sua inércia, deixando a nós, mortais, sozinhos com a frieza das almas. Sem o calor que nos move ao afeto e à procriação, deveríamos nós mostrar os punhos para a nuvem onde se esconde esse maldito e etéreo semideus, demandando que ele atire, para trazer a loucura da paixão ou para tirar a vida. Mas ele continua sobrevoando nossas fragilidades alheio aos nossos mais tenros desejos, nos importunando, risonhamente, no máximo com um afeto que nos é impossível de corresponder. E o que resta é, não irresignar-se, revoltar-se, e sim desejar que você seja o alvo da próxima flecha incendiária, mergulhando num fogo delirante para perder completamente a razão.

29 de junho de 2016

Game over



Pra todo fim do jogo existe a possibilidade de se iniciar de novo. Existe a possibilidade de recomeçar com a cautela de não cometer os mesmos erros, e de, com maior argúcia, se desviar melhor dos obstáculos. A perda, a baixa, a recaída, é só um estímulo para jogar - ou para seguir em frente. Não, não é uma falha que me para. Quando se joga pela primeira vez se tem surpresa, fascínio, mas grande vulnerabilidade. Na segunda, e nas próximas, talvez o encanto se dissipe, mas a experiência te compele a desafiar o próprio sistema. Até porque o fim de uma fase ou de todo um enredo, não significa, necessariamente, perda. Mas pode significar, pelo contrário, e é provável, que você está apta a prosseguir, e possivelmente esteja bem mais hábil que antes.

1 de junho de 2016

Eu não mudei



Revendo as minhas postagens antigas, como se este blog fosse uma "cápsula do tempo", eu vejo o quanto de mim foi revelado.

E sobretudo eu vejo o quanto de mim permaneceu inalterado.

As pessoas falam que a gente muda com o tempo, mas ao menos no meu caso não foi bem assim. O que houve foi (desde que eu criei esse blog, lá em 2008) que eu passei por situações novas, me encarreguei de novas responsabilidades e por diversas vezes apenas revelei algo de mim que até então estava intacto, mas cuja existência eu já conhecia, no fundo.

E eu falo de mim, mas no fundo todos somos assim. Ninguém muda a partir de extremos. Crescer, amadurecer, envelhecer não é mudar, é se adaptar, é justamente o nosso poder de adaptação - e não de mudança, porque a mudança faz com que percamos a nossa essência - que norteou a humanidade até os dias de hoje, e que nos guia pelas nossas jornadas.

Os sentimentos que eu relatava em postagens em 2009, 2010, são iguais aos de hoje, e eu poderia facilmente enquadrar um escrito antigo meu na vivência de um dia qualquer. Interessante é não apenas perceber que você não mudou como constatar que, não mudando, você é fiel a si mesma.

27 de maio de 2016

Lirismo Virtual



Acho que desde que eu descobri e comecei a me utilizar da internet, um dos meus maiores prazeres - senão o maior de todos - é passar um bom tempo com blogs. Sério.

Não apenas é muito bom poder se expressar, dar azas à sua criatividade, como descobrir que existem outras pessoas que também pensam como você, sentem como você, tem essa sensibilidade, essa paixão. Pessoas que escrevem textos, poesias, contos, crônicas, quilômetros e quilômetros de lirismo - igual a você. Gente que também se expressa de um modo apaixonado, melancólico, sarcástico, sonhador.

Em que pese que ter ficado muito tempo sem atuar no blog, ter renegado a mim mesma a escrita e a leitura não acadêmica, é aqui que eu gosto de satisfazer meu ímpeto e necessidade literária. Não exagero se digo que tem muita gente que escreve em blogs de domínio gratuito mil vezes melhor que muito escritor renomado que só consegue esbanjar mediocridade (considere que eu sou uma assídua leitora, e claro, extremamente crítica).

Eu não tenho tanto tempo quanto gostaria - aliás, a maioria das minhas postagens tem sido programadas, ou seja, escritas em momento diverso daquele em que são publicadas - e muito menos consigo acompanhar, sequer ler, os blogs que eu sigo. Mas eu nunca me decepciono quando eu tiro um tempinho pra ler algum post de um blog dentre os que eu sigo (e que não são poucos).

Eu queria que o mundo fosse mais justo. Eu queria um mundo mais democrático onde não haveria tantas pessoas talentosas no anonimato e gente medíocre com títulos de notoriedade. Mas é o que tem pra hoje.

E era isso que eu tinha a dizer, estimados amigos da blogsfera: muito obrigada por fazer dessa arte da palavra escrita um pouquinho mais humana, mais calorosa, mais real e mais virtual ao mesmo tempo. Muito obrigada por partilhar das suas vidas comigo, dos seus sentimentos, das suas angústias e júbilos. E claro, muito obrigada pela atenção e dedicação. Muito obrigada por fazer esse mundo virtual melhor. Vejo vocês no próximo post. =)

18 de abril de 2016

O que você precisa saber sobre o impeachment

Pois bem, pessoas da blogsfera e internautas afora. Essa postagem promete ser breve.

Não quero me manifestar politicamente - até porque eu faço da política meu objeto de estudo, e não meu estilo de vida - mas acho digno que se esclareçam alguns termos chave sobre a situação política da nossa pátria, que muitos parecem confundir.

Dessa vez não vou explicar tudo com as minhas palavras, por mais que eu mesma não goste de simplesmente "delegar" a explicação; ocorre que existem conteúdos mais completos internet afora e eu pretendo simplesmente repassá-los aqui.

Então dessa vez repasso uma vídeo-aula que explica, de maneira didática, o passo a passo de um processo de impeachment. Creio que lhes será útil.

E por hoje é só. Em breve teremos mais da série "O que você precisa saber sobre...", só que de maneira menos precária.


31 de março de 2016

Monografia



Então sobrevém todas aquelas questões para você mesma, do gênero:

Porque raios eu fui escolher esse maldito curso?

Porque foi que eu não abandonei enquanto era tempo - porque é que eu, sabendo que o mundo é vasto, que eu sou capaz e as possibilidades são infinitas, cheguei até aqui?

Porque é que eu não me atrevi, não mudei de rumo?

Mas, e agora?

Porque, então, criatura, eu fui escolher um tema tão recente, mas tão recente que só se atreveram a abordá-lo pessoas que, como eu, não sabem bem que rumo tomar?

Porque é que eu fui chamar esse professor, que se acha o PH-deus?

Porque é que eu leio livros e livros, invisto milhões do meu restrito orçamento em cópias, decoro normas técnicas ridículas e métodos e padrões toscos que em realidade não refletem conhecimento nenhum, me submeto a avaliações e revisões que só deturpam as minhas ideias originais, formato um amontoado de informações e chamo aquilo de citação, e ainda digo "amém" pra tudo - porque eu faço isso?

Monografia, como bem sugere o termo, implica numa redação sobre um único assunto - então convenhamos que uma pichação em um muro ou uma receita de bolo podem ser consideradas, da mesma forma, monógrafas. Oh, sociedade, porque não um pouco mais de liberdade no pensamento, nas formas, nas ideias, nas expressões?

Estou aqui a redigir a minha indignação porque eu, justamente, venho perdendo alguns prazos, e o meu orientador me tem martirizado; o coordenador do curso talvez não bote fé em mim (ele pode pensar assim se desconhecer o meu potencial) e a universidade está pouco se lixando para quem vai cumprir no prazo um dos inúmeros protocolos mesquinhos do sistema educacional universiotário.

Ainda vou mudar o mundo com as minhas ideias revolucionárias, mas primeiro eu preciso cumprir algumas obrigações. Por hora, sociedade, deixa eu voltar para a minha tese...

30 de dezembro de 2015

Partir


Vontade de simplesmente largar tudo e ir embora. Dar às costas a tudo e todos, a esse mundo que eu conheço e sumir, e nunca mais voltar.

Que vontade de me aventurar inconsequentemente.

Que vontade de algo novo, inimaginável.

Ficar me aventurando eternamente, sendo minha coragem e sede de aventura tudo o que eu preciso.

Ah, como eu queria ir embora.

23 de dezembro de 2015

Vício



É algo totalmente inusitado na minha parca vida.
E é um desafio: eu jamais imaginei que eu fosse provar, e agora que eu provei eu jamais vou querer parar.
Porque jamais aqui e agora tem um significado intenso.
Eis uma substância nova que corre nas minhas veias, que eu inalo, bebo, aspiro e expiro em meus pulmões.
Que me trás euforia e regozijo, me leva às nuvens, me faz delirar, me faz dar a volta ao mundo em um segundo.
Me dá coragem, me domina, me controla, me move a enfrentar tudo e todos – inclusive a mim mesma.
Meu nirvana, meu êxtase supremo.
Mas que também – com a sua falta – me faz mal, extremamente mal.
Me causa espasmos deprimidos, me enfurece, me angustia, me desconcerta e me agita;
Me faz ter crises convulsivas e violentas;
Me motiva a destruir tudo que vejo pela frente.
E quando eu me injeto novamente a euforia é eterna.
Eu não como, não bebo, não respiro mais; só preciso de uma substância – uma única e nada mais;
É o meu narcótico maravilhoso
Meu psicotrópico divino
Meu tóxico sublime
Meu vinho maldito
Meu ópio irreal
E o meu bálsamo diabólico.
Você pode implodir o meu coração, diluir meu cérebro, estourar as minhas veias e esfarelar os meus pulmões
Eu não me importo
Pois é exatamente isso que eu quero!
De você eu quero a overdose mais medonha
Eu quero morrer mil vezes com a convulsão mais frenética
- eu vou para o inferno e volto quantas vezes for necessário para me intoxicar de novo
Me embriagar de novo
Me drogar de novo
Me envenenar de novo
Mergulhar num caminho sombrio e sem volta
Me entregar totalmente a esse breu, a esse abismo que é você.
Minha obstinação, meu único pensamento
O que me mantém viva e vai me matando aos poucos.
Já disse que eu não quero parar.
E eu não vou parar.
Ninguém vai me parar,
Nada vai me parar.
Não tenho discernimento mais,
Não tenho bom senso
- só é bom o meu tóxico –
Não existe mais o mundo, não existe mais nada
- só existe você –
Não me peça para moderar pois quanto mais você recua mais eu quero, mais eu insisto, mais eu exijo e me enfureço
Quanto mais o mundo me crucifixa com seus dogmas mas eu me destruo e destruo esse mundo que não existe
Eu não quero cessar do seu efeito por nenhum segundo!
Irritada, errada, irada, arrasada, pirada sobretudo viciada!
Eu perdi tudo
E estou disposta a perder ainda mais
- só não posso perder a você!
Pois compreenda:
Você é meu único pensamento
Minha única necessidade
Meu paraíso e minha perdição
Nessa altura eu já não consigo mais ouvir mais nenhum conselho sensato
Tal é o meu estado
Mas eu reitero que com todas as minhas forças vou lhe buscar cegamente e tomar doses ininterruptas de você que me faz tão bem.

18 de dezembro de 2015

Por que eu voltei


Olá, pessoas.

Depois de muito, mas muito tempo (nada menos que três anos) eu resolvi reativar esse blog.

E porque eu fiz isso?

Bem, primeiramente, quando eram meados de 2008 e eu criei este blog (e outros antes dele), eu era apenas uma garotinha esperando o ônibus da escola que tinha o prazer de escrever e tempo para escrever abobrinhas e ler o que os outros escreviam.

Mas chegou uma hora que eu enjoei de escrever e ler, além de ter assumido outras responsabilidades, sendo essa a razão pela qual eu "vendi" o blog.

Hoje, depois de anos, eu me deparei com um acervo gigantesco de resumos e trabalhos acadêmicos e livros e filmes e centenas de outras coisas que eu vi que seriam úteis se disponibilizadas livremente na internet através deste blog.

Não faço ideia se os meus antigos amigos e parceiros de blog ainda lembram que essa página existe (o próprio google pediu para eu confirmar a autoria), mas eu prometo que farei o que for preciso para que esta página seja o que era antes (e até melhor).

Se você é meu amiguinho dos meus velhos tempos de blog, por favor deixe um comentário.

Um abraço a todos que perceberam que o blog ressuscitou, desde já agradeço pelo apoio moral, e, por hoje, é tudo.

4 de junho de 2012

Vende-se este blog


Isso mesmo. Uma vez eu vi um "avaliador de sites pessoais", que com base em sabe-se lá que dados ele te dava um valor analisando o endereço do seu domínio. O meu, na época (uns dois anos atrás), deu cinco mil reais; hoje eu acho que valeria, sei lá, uns dez mil... Se você for meu inimigo eu te dou de graça o blog, mas tem que ser hater declarado, okay?

O fato é que eu já não tenho mais saco pra manter um blog. Não sai mais nada de legal da oficina, e quando eu forço sai aquelas coisas bem sem sal. E também não tenho mais saco para conferir a blogsfera; apesar de ainda ter muita gente dedicada e intelectualmente esclarecida, 99% da literatura que eu encontro na internet é estritamente amadora. O autor golpeia golpeia e golpeia mas nunca sai o corte perfeito.

Aliás, esse negócio de literatura hoje em dia é uma lástima. Você nem precisa ler um livro inteiro para ser escritor, basta ter um papai rico e doses generosas de hipocrisia para distribuir. Eu não sei onde é que ficou a nossa avant-garde e o espírito revolucionário, mas não consigo mais encarar o sentimentalismo exagerado à la Clarice Lispector, e nem discussões políticas e sociais acaloradas e vazias.

Enfim... Saturou. Eu era mais feliz lá em 2008, logo que eu creiei o blog, quando eu me contentava com qualquer aventurinha adolescente. Hoje eu tô chata e impaciente demais com tudo, e justamente por isso tô pulando fora. Vou ficar com Ruy Barbosa, por hora. Se me der na louca e eu quiser voltar com esse negócio de blog (eu não sei o que esperar nem de mim mesma) eu faço outro e anuncio aqui pros que sentirem saudades.

Um beijo aos que ficam,

Ana Ruppenthal.
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...