Mostrando postagens com marcador Fim. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador Fim. Mostrar todas as postagens

20 de março de 2017

Perder


Ninguém se lembra de você na hora da festa, mas se lembram na hora que as coisas apertam. Sem tanta grana e sem habilidade de mentir tão bem; quem iria se interessar? Não conseguir a vaga pretendida, nem o emprego almejado, nem mesmo ser lembrada pelos seus amigos, a despeito da sua própria insistência, e ter toda a sua reserva financeira pilhada por absurdas tarifas... Essas pequenas perdas são como alfinetes nas veias. Não dá vontade de largar tudo, ir embora e recomeçar tudo, invisível? Queria ao menos ser sociopata; talvez não traria mais sucesso, mas ao menos eu não seria sensível a essas misérias que viram o jogo.

20 de fevereiro de 2017

Au revoir


Eu nunca fui fã de cordialidades, quanto pior com despedidas. As pessoas costumam sumir de repente, como que arrebatadas por um raio sem tempo para dizer adeus, e muitas reaparecem tempos depois feito assombrações eletrizadas. Eu não costumo me despedir. Eu costumo é estar subitamente só, com as luzes fracas e artificiais me condenando à solidão. Você teve que desaparecer. Já não é a primeira vez. Não é a primeira vez que alguém some e eu fico a ver navios, a ver aviões, a ver trens e toda sorte de meios de distanciamento. No fundo, bem lá no fundo, eu senti falta das suas ideias ingênuas e radicais e, no começo, eu trocaria qualquer coisa por um dos seus raros momentos de mau humor. Mas tudo bem. Irremediavelmente, eu não devo ser mais parte da sua vida, e nem você da minha. Então, adeus. Amanhã eu também vou ir-me. Vou me mudar para um bairro nobre no inferno, bem longe da Fronteira com o limite humano. Goodbye. Mal posso esperar. Se você voltar, esteja sorrindo, lembre-se de mim e, por favor, não esteja alcoolizado. Perdoa essa minha despedida estranha, mas eu já disse que eu não sou boa nisso. E você vai se confundir, mas saberá que esse texto é para você - ou talvez morra sem perceber. Agora, Deus me perdoe, e você me dê licença, mas eu tenho que ir.

16 de fevereiro de 2017

Coisas que eu jamais diria mas gostaria que tivessem me dito antes


Detesto ter que transmitir ou captar mensagens implicitamente. Fosse por mim eu diria tudo, absolutamente tudo o que gostaria de dizer - e também prefiria que me dissessem o sim ou o não em vez de me deixar sem certezas de como proceder. Mas não dá pra falar tudo. Vivemos em um mundo em que uma palavra é facilmente mal interpretada como expectativa ou ofensa. E por isso eu ajo assim. Por isso eu ignoro as suas mensagens, não olho para você quando você fala, te evito, rejeito os seus mimos, simulo irritação. Odeio ter que agir assim, pois eu sei como é apaixonar-se. Queria eu lhe dizer simplesmente que você não é o tipo de homem que me agrada e pedir para se afastar; mas eu sei que se eu fizer isso você entederá errado e insistirá ainda mais. Tivessem dito algo assim para mim em qualquer das milhões de vezes que eu me iludi eu teria entendido, dado as costas e nunca mais olhado para trás... Mas tudo o que tive foram ditos e não ditos, joguinhos, farsas... Se eu assumo uma atitude ríspida ao menos eu sou sincera. Linguagem corporal e comportamento são coisas difíceis de decifrar... Lamento, mas eu nunca vou poder te dizer.

7 de fevereiro de 2017

Espera


Esses segundos que se arrastam lentamente parece que vão me matando. É difícil suportar. O aguardo parece eterno. Eu quero o fim. Quero o resultado, a resposta, o sim ou o não. Não sirvo para ficar no stand-by... Não é que eu tenha pressa. É simplesmente que essa espera indiscriminada é desumana, irracional. Eu só queria fazer as coisas andarem. O sistema solar não para para que as burocracias humanas descongelem, desestagnem. Respiro fundo, estico os braços, vou fazer outra coisa. Mas nem tudo pode ser feito. Só me resta esperar...

3 de fevereiro de 2017

Obsessão

Começou como uma simples ideia, aparentemente brilhante, um projeto, uma plano para o futuro. E lá fui eu. Todos admiraram a minha determinação. Alguns investiram nisso comigo, trocávamos estímulos e comparávamos resultados. Tudo no começo é empolgação, mas nem todos mergulham de cabeça... Muitos desistiram, e ao longo do caminho outros foram desistindo. Isso não é para mim, diziam. Mas eu persisti. Fracos, pensei. Fechei o círculo para me dedicar mais. Comecei a acordar mais cedo e a ir dormir mais tarde. Passava menos tempo em casa ou me trancava no meu quarto. Ás vezes minha irmã me ligava, perguntava se eu não precisava conversar um pouco, talvez isso me fizesse bem. Eu disse que não, que me deixasse em paz, por favor, eu tinha mais o que fazer. E o tempo começou a correr mais rápido. Não tinha mais outra coisa na cabeça. Mal dormia, as vezes nem comia. Não importa, tudo por uma causa justa... Chegaram a me perguntar que tipo de Frankenstein estaria eu criando. Cafeína, calmantes, e nada de luz solar ou ar puro. Quando eu conseguir, sim, quando tudo acabar, eu pensava, eu me preocupo em recuperar a minha saúde - e vai ser em breve. Não me permitia qualquer descanso; todo tempo livre deveria ser aplicado. Não conseguia falar mais sem demonstrar um mínimo de irritação. Minha irmã apareceu na porta do meu quarto, de madrugada, me perguntou se eu não iria dormir. Eu disse a ela para me deixar em paz e fechar a porta, e que não voltasse mais. Mas ela insistiu: Porque você não procura um psiquiatra? Eu me irritei: E porque você não procura um veterinário?! Fechei a porta sem pedir licença e me tranquei. As coisas começavam a dar errado e eu não desistia. Insistia em acreditar naquela doce ilusão a qual eu me entreguei. Vai tudo dar certo, murmurava comigo. Eu negava a verdade que cutucava o meu ombro. Eu já não falava mais com ninguém. Vivia como um fantasma num mundo isolado que eu criara. Lembro de ter visto no espelho uma face pálida de olhos bem abertos. Então, foi esse poltergeist que eu me tornei? Haveria alguém a culpar, a não ser a mim? Eu me deixei enganar por uma utopia e perdi tudo, completamente...

26 de dezembro de 2016

Verão


Nós aqui no hemisfério Sul não temos como cultura contar a passagem do tempo pela passagem das estações, como o fazem outros países, a despeito de, ironicamente, a passagem das estações ser muito mais visível num país de céu azul e límpido como o Brasil (ao menos ainda é assim; vamos cuidar para que continue nos próximos séculos, combinado?). De qualquer forma, é certo que a passagem das estações influencia diretamente no nosso humor. O verão, por exemplo, dizem que trás o bom humor, tanto por fatores psicológicos como físicos - o clima que permite maior contato com ambientes abertos e a natureza, o que nos trás a sensação de paz e o bom humor, etc. Assim o verão, geralmente época de férias, também é uma época muito produtiva e saudável. Mesmo quando a temperatura gera a níveis alarmantes como acontece em algumas regiões, o nosso humor tende a permanecer estável e alegre. Interessante notar, pois, que a chegada verão é muito próxima da virada do ano. Parece que a natureza vem a nos instigar a termos um humor melhor no próximo ano. Vem a querer que o nosso ânimo de viver ferva assim como fervem os termômetros. Então, aos meus estimados internautas desejo boas festas e que tenhamos um verão incrível. :D

21 de dezembro de 2016

Ateísmo ortodoxo


O ateísmo é tão normal quanto a religião, apontam estudos; desde que nos conhecemos como humanos, para cada pessoa que formulava uma divindade, havia uma pessoa que contestava explicações sem evidências. Por muitos séculos a religião predominou, e predomina ainda, muito embora hoje sejamos livres para sermos ateus - e há quem diga que no futuro não mais existirão religiões. Seja como for, o fato é que o ateísmo cresce a cada dia, propagado principalmente pelas nossas mídias sociais - divulgado como se fosse uma filosofia de vida, uma ideologia política ou até mesmo uma religião - e não uma mera ausência de crença, como pressupõe bem o termo nas suas origens. Ou seja, as pessoas não se contentam em não acreditar, elas precisam ridicularizar as crendices alheias, expondo todos os podres da religião, como se a religião fosse, isoladamente, a resposta de todos os males da humanidade. Eu sou ateia fazem anos, e nunca sofri preconceito como tal - isso porque, não crendo, não existe necessidade de exteriorizar a ausência de crença: não há necessidade de rezar, de ir a templos, de cantar hinos, de fazer penitências. Mas a maioria dos ateus que eu conheço se sentem muito satisfeitos e engajados em expor a ausência de crença e tentar impor-lhe - como os religiosos extremistas fazem com as suas crenças. A adoção do ateísmo se dá sempre através de um processo racional - ou deveria ser; mas ao meu ver nos meios ateus, predominantemente em universidades, são os lugares onde há mais arrogância e intolerância, e menos compaixão. Parece difícil admitir que a religião é história, é cultura, é em si mesma uma filosofia de vida. Que existem crentelhos estúpidos eu admito (e inclusive estes são muitos), mas que existem muitos religiosos que fazem atos de caridade sincera que praticamente nenhum ateu faria, isso existe. Ateus costumam se esconder atrás da ciência que eles mesmos não dominam e ainda não explica tudo. Em questões políticas e principalmente no embate contra a religião, são muito mais conservadores e ortodoxos, e muito mais difíceis de lidar. Triste notar que um processo (que deveria ser natural) de não-crença é relacionado frequentemente com ataques públicos a imagens religiosas e a religiosos em si, e não a pessoas que simplesmente são indiferentes a crendices. Enquanto fazem propagandas públicas estimulando a tolerância religiosa, creio eu que deveria haver campanhas estimulando os ateus mais ortodoxos a serem menos prepotentes, porque a ausência de crença, no final das contas, não os torna melhores do que ninguém. 

Recomendo a leitura do livro "A irreligião do futuro", de Jean-Marie Guyau.

"Ateísmo engraçadinho existe desde a Antiguidade, diz historiador britânico". Folha de São Paulo, 05 de março de 2016. Link aqui

"Redes sociais alavancam movimento ateísta no Brasil". Paloupes, 23 de outubro de 2016. Link aqui

"Ateísmo é tão natural quanto religião". Hypescience, 17 de fevereiro de 2016. Link aqui.

14 de dezembro de 2016

Não uso papel


]Depois de uma graduação inteira a gente vê quanto papel foi utilizado à toa. Milhares de cópias que nos mandaram imprimir e no fim não foram utilizadas, seja para simples leitura obrigatória, seja para trabalhos, para folhas pautadas, para atividades, transcrição de conteúdo parcial, et cetera. Ademais, durante a vida inteira vi gente jogando fora várias folhas de caderno por um simples erro ao escrever. Isso sem contar as dezenas de agendas que foram compradas mas nunca usadas (ou utilizadas apenas nos dois primeiros meses do ano), as dezenas de post-its que foram utilizadas mais para enfeitar e brincar do que para realmente atingir a sua finalidade, as várias folhas de papel almaço que as pessoas pegam direto da impressora sob o pretexto de ser usada para rasuras e no final não são utilizadas nem 1/3. Para mim chega. Sempre detestei imprimir de qualquer forma, e nos últimos tempos venho transitando de anotações em pequenos papeis para anotações em meio digital, e o mesmo tenho feito para estudar e escrever. Sem tanto papel a gente evita muita bagunça e muita poluição visual. Sem contar que isso é mil vezes mais ecologicamente correto. Menos poluição, menos bagunça, mais espaço. O mesmo eu tento fazer, ao máximo possível, com o plástico - outro ítem altamente descartável que só polui e causa entulho. Pois se dependesse de mim, nunca mais se utilizaria papel.

24 de outubro de 2016

Monografia (Episódio IX)



O prazo está apertando, e o meu orientador não diz nada mais. Eu tenho medo de estar a escrever um milhão de coisas desconexas e sem sentido, na ânsia de fazer um bom trabalho. De início eu senti raiva, depois eu senti satisfação, e em seguida sentia-me cansada; agora, eu sinto medo, um frio na barriga e um calafrio - uma saudável adrenalina. Depois de todo um ano, agora só falta um mês - um mês apenas e parece que eu mal comecei. Um mês e eu enfrento a banca; um mês e acabou. Mas agora mesmo ainda tenho muito a ser feito, então, excuse-me...

16 de outubro de 2016

Cansei de ser sociável

Redes sociais definitivamente não são minha praia. Não me faz bem perder tempo com bobagens sensacionalistas amplamente compartilhadas e nem com misérias das vidas alheias. Tenho muito trabalho a fazer, livros a ler, lugares para ir, muita necessidade de malhar, organizar meus armários, planejar aspectos de um futuro imediato, et cetera. Paulatinamente vou excluindo ou abandonando um a um dos aplicativos, cortando a linha de internet da operadora e me abstendo de usar a internet sem fio. Eu quero viver. Sem mais milhares de fotos do "look" do dia, sem mais fotos dos livros (levava mais tempo tirando fotos do que lendo), sem mais fotos de comidas e bebidas, sem mais propagandas me induzindo a consumir. Sem mais nada disso, obrigada. Mudei a senha do facebook para alguma senha gerada automaticamente, imprimi essa senha em um papel, coloquei numa garrafa e atirei para longe: bye bye baby. E de qualquer forma, eu sempre serei a melhor pessoa que você vai encontrar para conversar: sempre bem disposta, mais intelectualizada do que a média (eu realmente leio e não simplesmente compartilho), sou capaz de olhar nos seus olhos durante a conversa como que o tempo todo e lhe ouvir - se é que isso realmente vai lhe importar.

9 de outubro de 2016

Friendzone



Aquele falso discurso todo moralista, todo religioso de respeito e de ética e todos os nomes que você puder dar para sua hipocrisia - que veio agregado num completo descaso, em desculpas constantes, deixando você pra hora que for conveniente apenas para ele, dizendo que não pode assumir compromisso agora, dizendo-se muito ocupado, preferindo fazer tudo às escondidas. E se você criar expectativas, tudo bem, não é problema dele; pelo menos com sentimentalismo fica mais fácil de ele ter sexo. Beleza, status, grau de formação ou aspecto financeiro não vão importar nada quando ele decidir que você não é mais conveniente e te dispensar como um simples objeto. Precisando ou não, ele vai sempre te empurrar para uma conveniente friendzone.

29 de setembro de 2016

Monografia (Episódio VIII)



Queria descobrir como é cursar engenharia, arquitetura, ciências da computação, física ou matemática, ou qualquer dessas graduações em ciências exatas onde a incidência de homens é gigante. Porque sempre que eu vou à biblioteca da faculdade estudar - e nessa fase tem sido mais frequente - me deparo com dezenas desses graduandos aparentemente fazendo trabalhos em grupos, ou estudando, ou discutindo fórmulas estranhas em voz alta e frequentemente brigando feito piazinhos ranhentos. Justamente pela presença em peso do pessoal de exatas eu tenho que dividir uma mesa ou uma sala de estudos com mais um ou dois, e não raro três outros estudantes com os seus respectivos laptops, e os corredores das prateleiras de livros ficam tão circulados quanto pubs, mesmo no acervo de direito. Agora tem um garoto que pelo que eu noto estuda administração aqui na minha frente, provavelmente tão empenhado no trabalho de conclusão quanto eu. Semana passada tive ao meu lado uma estudante de arquitetura, e eu ri-me de como ela tinha pequenos desenhos de plantas de imóveis no seu trabalho, e ela estranhou-se de ver no meu tantos "julgados". Mas bem. Não poderia ser outro o tema dessa postagem; eu não consigo pensar em outra coisa, a não ser, com intervalos, no resultado do Exame de Ordem. Estou cansada, e acho que não conseguiria redigir sobre outra coisa que não a tese que pretendo defender e todo esse cansaço. E se agora me dão licença, meu orientador chegou.

28 de agosto de 2016

Estudar



Tem sido difícil, muito difícil conciliar tudo; sinto que a minha cabeça vai explodir. Estou estressada, preocupada, com medo. Estar prestes a me formar - que é exatamente o que eu mais quis por um bom tempo durante a graduação - agora é apavorante. E por vezes tenho dificuldade em me concentrar; quero sair, tomar um café e conversar. Mas não dá. A pessoa que eu queria não está aqui - ou talvez nem exista. Eu só queria uma dose de endorfina, um gole que seja, nessa avalanche de cortisol. Parece que também não dá, por hora. Estou só. O folhear dos livros, o ruído das teclas, o bulício da caneta que escreve e a minha própria respiração tem sido o único som aqui, ecoando e ricocheteando de volta para mim, por vezes bloqueados por alguma fórmula repetida em voz alta. Estudar é um prazer, um deleite, mas chega uma hora que cansa e se torna uma angústia. Não há escolha, contudo: Tenho muito a fazer. É um encargo denso, mas é o que eu sempre quis, afinal. Enquanto eu inconscientemente, e a despeito do meu parco bom-senso, sinto-me desejosa de ter de volta alguém, eu me lembro que eu só tenho a mim mesma, e o que eu construo para mim - como esse meu início de carreira cuja primeira etapa estou prestes a terminar. De nada adianta ruminar as fraquezas; o que me resta é persistir.

30 de julho de 2016

Wall Street Boy



Eu não gosto de admitir fraquezas. Gosto de fingir indiferença, e simular sentimentalmente o frio do inverno gaúcho. Mas devo admitir que eu senti a sua falta. E muito. Você se despediu de mim e eu também; não disse uma palavra mais. Mas no fundo, lamentei. Com você foi poesia desde o primeiro instante; foi metafísica, dialética, religião e política internacional. Você sempre com mil e um negócios para resolver; sempre tão prático, tão disposto a aproveitar qualquer minuto pra ganhar dinheiro. E eu, tão perdida. Eu admirei a sua visão de mundo, independente, audaz, no ritmo acelerado de capital, ao mesmo tempo que conseguia ser complacente com os meus medos. E tudo isso associado àquela primeira visão que eu tive de você, de terno e gravata, fez minha mente divagar, imaginando você como um daqueles homens tão ocupados e tão apressados que figuram nos filmes americanos de Wall Street - nunca estive nos Estados Unidos mas você fez minha mente ir até lá, como eu já lhe contei certa vez. Até porque realmente me pareceu cinematográfico de tão irreal, em certos momentos. Tão inteligente, atraente - até o fato de você fumar me parecia intrigante, mas... Mas entre nós existe uma distância grande, e você, como sempre prático, entendeu por bem se despedir. E foi o fim. Incrível enquanto durou, mas acabou; sem dores, sem pranto, mas com o baque seco de uma história que acaba, como quando a gente acorda de um sonho bonito e não consegue se dar conta de que não era realidade. Segui minha vida, tentando ser tão prática, mas não consigo evitar momentos de digressão. Você está longe mas às vezes minha mente está com você. Ever since I was kissed by the sun.

14 de julho de 2016

Tempo


Eu contabilizo o tempo pelos meus devaneios. Uma lufada de ar me trás tantas lembranças... Como há uma ano atrás, quando o clima estava exatamente como hoje: esse clima, esse tempo idêntico me faz lembrar do ano passado, de como eu me sentia, mas também do ano anterior, e de outras épocas, sendo um vendaval de sensações e lembranças na mesma brisa. Queria conseguir ser mais sincera com o que eu sinto, em vez de atropelar tudo, fingir que sentimentos tão tenros não estão ali. Queria poder apreciar cada exígua sensação com o maior deleite. Queria pode dissolver essa divisão do tempo que separa as minhas lembranças e sensações. Mas eu não posso. Não posso apagar todos os ponteiros de relógios, todos os calendários, todos os cronômetros e demais parafernálias que aprisionam a vida no desconhecimento da liberdade. Da mesma maneira que não posso sair e apreciar o tímido calor do sol no meio do inverno, tendo que me limitar a olhar de dentro de uma clausura fria e úmida. Tão sinestésico que não faz sentido, e você sente isso tudo numa fração de segundos. Bem. Acabou. Até amanhã.

29 de junho de 2016

Game over



Pra todo fim do jogo existe a possibilidade de se iniciar de novo. Existe a possibilidade de recomeçar com a cautela de não cometer os mesmos erros, e de, com maior argúcia, se desviar melhor dos obstáculos. A perda, a baixa, a recaída, é só um estímulo para jogar - ou para seguir em frente. Não, não é uma falha que me para. Quando se joga pela primeira vez se tem surpresa, fascínio, mas grande vulnerabilidade. Na segunda, e nas próximas, talvez o encanto se dissipe, mas a experiência te compele a desafiar o próprio sistema. Até porque o fim de uma fase ou de todo um enredo, não significa, necessariamente, perda. Mas pode significar, pelo contrário, e é provável, que você está apta a prosseguir, e possivelmente esteja bem mais hábil que antes.

28 de maio de 2016

Amor de Perdição - Camilo Castelo Branco (Resenha e crítica)


 Eis um clássico da língua portuguesa muito cobrado em provas de vestibulares. Pertencente à tradição do romantismo português (Século XVIII, com influência da Revolução Francesa notável na obra), tem todo aquele contexto familiar extremamente tradicional, típico da época em que a trama se passa (1862).

Bom para aqueles que gostam de histórias de amor; mas não tão bom assim para aqueles que não gostam de finais trágicos.

Na minha singela opinião, a obra não faz jus ao título de clássico. Não tem boa construção de enredo e nem sequer dos personagens - que têm um comportamento inconstante e não seguem o perfil inicialmente proposto pelo autor. Na mesma linha, a obra se atém a um moralismo exagerado, até mesmo para a época - o que é explicável apenas pela escola ou tradição literária a que pertence o autor (o Romantismo tardio, ou ultrarromantismo, em Portugal), cujas características são, justamente, a negação da realidade, o apego a valores ultrapassados, paixões exageradas e inatingíveis (como no caso do livro).

Eis um clássico muito decepcionante.

MAS, ao meu ver, se o livro tivesse passado, na época, pelo crivo de um leitor crítico, o resultado teria sido mil vezes melhor, pois a essência da estória, nota-se, é boa.

É, basicamente, a estória de amor de Simão e Tereza, dois jovens pertencentes a famílias rivais. Assim, tendo, além de uma certa distância entre os dois, a total desaprovação das famílias, o casal apaixonado luta com todas as forças pelo seu amor. Tereza, já prometida para outro, é internada em um convento, depois de se recusar a casar; Simão, envolvido com uma briga na qual acaba baleando o primo de Tereza, para quem ela era prometida, é condenado ao exílio, depois de permanecer por muito tempo preso, graças à influência de seu pai (caso contrário a pena seria a morte).

Se você gosta de livros estupendos de tão bons, não procure esse livro.

Nota: 6 / 10

25 de abril de 2016

Carta aberta aos meus amigos


A amizade e o namoro são coisas completamente distintas na infância e na fase adulta.

Na infância, todo mundo pode ser amigo de todo mundo, por mais que por vezes tenha brincadeiras só de meninas ou de meninos; e o namoro é repugnante, é incompreensível, inadmissível.

Já na fase adulta parece que tudo se inverte. A regra é o namoro - ou talvez a obrigação é o namoro - e você não pode ter amigos, ou melhor, não pode ter muitos amigos; e se você é mulher você não pode ter amigos homens, e homens comprometidos igualmente não podem ter amigas mulheres porque nossa, onde já se viu, nós humanos somos seres totalmente impulsivos e temos que estar obrigatoriamente enclausurados se comprometidos, pois caso o contrário nós vamos necessariamente pular a cerca. Ter o mínimo de maturidade e confiar na pessoa com quem você partilha os seus sentimentos parece irracional. Afinal, se a pessoa quiser se relacionar com outra, porque ela iria querer manter um relacionamento?

Mas o pior não são essas neuras de casal; não, o pior é o boicote generalizado e espontâneo que se faz à vida social quando sobrevém a relação afetiva. Eu comprometida vejo todas as minhas amigas indo festar e, lesada pela paixão, fico em casa, idolatrando o meu par; mas quando eu me vejo solteira eu me vejo forçada a fazer instantaneamente novas amizades, porque as que eu já tinha previamente estabelecido estão todas comprometidas e inaptas a pensar em bares e baladas.

E se querem saber, estimadas amigas e amigos que estão lendo isso (já que eu não posso falar-lhes diretamente, pois os seus namorados e namoradas são deveras ciumentos), felizes éramos nós aos cinco anos quando, descobrindo a nossa primeira paixão por um garotinho, escondíamos com todas as nossas forças esse sentimento e íamos brincar sem ponderar mais.

Minha dica é: Terminem logo esses relacionamentos entoxicados de neuras e se redescubram, se libertem e amem a si mesmos. Só lembrando que a festa é dia 30 e lá ninguém entra acompanhado. 

4 de junho de 2012

Vende-se este blog


Isso mesmo. Uma vez eu vi um "avaliador de sites pessoais", que com base em sabe-se lá que dados ele te dava um valor analisando o endereço do seu domínio. O meu, na época (uns dois anos atrás), deu cinco mil reais; hoje eu acho que valeria, sei lá, uns dez mil... Se você for meu inimigo eu te dou de graça o blog, mas tem que ser hater declarado, okay?

O fato é que eu já não tenho mais saco pra manter um blog. Não sai mais nada de legal da oficina, e quando eu forço sai aquelas coisas bem sem sal. E também não tenho mais saco para conferir a blogsfera; apesar de ainda ter muita gente dedicada e intelectualmente esclarecida, 99% da literatura que eu encontro na internet é estritamente amadora. O autor golpeia golpeia e golpeia mas nunca sai o corte perfeito.

Aliás, esse negócio de literatura hoje em dia é uma lástima. Você nem precisa ler um livro inteiro para ser escritor, basta ter um papai rico e doses generosas de hipocrisia para distribuir. Eu não sei onde é que ficou a nossa avant-garde e o espírito revolucionário, mas não consigo mais encarar o sentimentalismo exagerado à la Clarice Lispector, e nem discussões políticas e sociais acaloradas e vazias.

Enfim... Saturou. Eu era mais feliz lá em 2008, logo que eu creiei o blog, quando eu me contentava com qualquer aventurinha adolescente. Hoje eu tô chata e impaciente demais com tudo, e justamente por isso tô pulando fora. Vou ficar com Ruy Barbosa, por hora. Se me der na louca e eu quiser voltar com esse negócio de blog (eu não sei o que esperar nem de mim mesma) eu faço outro e anuncio aqui pros que sentirem saudades.

Um beijo aos que ficam,

Ana Ruppenthal.

12 de dezembro de 2011

Special thanks



Mantendo o site "fora do ar" por um tempo eu interrompi o script que repassava os dados para o Analytics, que por sua vez repassava para o Google que fazia as incidências em resultados de pesquisas serem maiores. Em outras palavras: mantendo o site fora do ar por um mês as visitas cairam em 80%. Para recuperar eu teria que atualizar com mais frequencia, digamos que umas duas vezes por dia durante um ou dois meses, mas eu confesso que eu já não vejo tanta graça em blogs. E por isso mesmo eu não espero ter grande repercussão desse post. O último do ano, não querendo dizer que é o último post definitivo. Claro que eu não vou fechar sem special thanks: agradecimentos em especial àqueles que mais comentaram e eu ingrata nem sempre respondia: João Ogro, de Ogroland, Nick Pink, de Quem Viver Lerá e Cadiz (acertei?) de Papo Bacana.  Ah, esse ano eu também fiz amizades no blog, so the oscar goes to: Aline, de Até faz sentido, Eduardo, de Eduardo Franciskolwisky e de novo João de Ogroland. Eu também percebi que o meu blog me ajudou a manter amizades que eu já tinha, ou pelo menos apareceu uma grande incidência de returning visitors no meu Analytics das cidades de Itajaí, SC, Cascavel, PR, e Curitiba - eu até imagino quem seja, mas prefiro não citar nomes; se for quem eu suspeito me avisem no facebook. Me surpreendeu o fato de, apesar de ter caído muito as visitas, ter aumentado muito o número de seguidores. Obrigada então a todas as 93 pessoas que passaram a seguir este blog em 2011. E um agradecimento especial a pessoas de várias cidades do país que visitam e retornaram a esse blog e aparentemente nunca se manifestaram. Agradeço inclusive à minha irmã Marcy, que me serviu de "cobaia". Só não vou agradecer a pessoas da minha cidade que visitam o meu blog e não falam comigo no msn, ou na rua... É triste que as pessoas mudam, e mudam muito do nada, ficam arrogantes e ignorantes... Ou evoluem. Bem, pessoa, tendo você mudado para bem ou para mal eu ainda sou a mesma (eu acho) e você sabe onde me encontrar se precisar (e se quiser). Ainda que o Natal seja uma data meramente consumista, é a única vez no ano em que eu fico com pessoas da minha estirpe, então é para mim uma data especial e desejo, sinceramente, que para vocês seja também. Não sei se desejo um bom 2012, porque se você for ver esse negócio de passagem de anos é só uma coisa que as pessoas inventaram para contar o tempo, que não se divide realmente em etapas, é contínuo e só vai acabar se você morrer ou se o mundo acabar; então veja: "começar do zero" no próximo ano é para o fracos, os bons dão continuidade à evolução pessoal. Finalizando: obrigada a todos os meus amigos que eu fiz esse ano sem ser na internet, e também àqueles que só existem na internet. Com ou sem mim tenha uma boa vida (só não me esqueça).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...